domingo, 28 de abril de 2013

Dicas básicas para quem quer começar na Astrofotografia

Eu fiz o post post abaixo para ajudar pessoas que surgem com perguntas muito básicas sobre astrofotografia. Ele é direcionado àqueles que querem começar na atividade, mas estão se sentindo meio (ou completamente) perdidos.


Minha primeira imagem de céu profundo com telescópio, feita com uma montagem CG-5GT, Orion Premium ED 102mm e Canon T2i. Um frame de 15 segundos de exposição.


Dicas para quem quer começar na Astrofotografia:

  • Não seja pão duro na hora de comprar o equipamento.

Astrofotografia não é um Hobby barato, embora não seja caro a ponto de ser algo para milionários. Qualquer um que já não dependa dos pais e tenha um emprego razoável pode entrar para essa atividade. Você pode até mesmo depender de seus pais se eles ganharem bem e gostarem muito de você. O valor que considero razoável para um bom setup de astrofotografia é algo em torno de sete a dez mil reais. Com essa grana você pode comprar uma montagem H-EQ5 ou NEQ-6, um pequeno refrator apocromático ou um bom refletor (Newtoniano ou Cassegrain) e sobra dinheiro para uma Câmera DSLR ou mesmo uma CCD dedicada (esta seria aconselhável comprar no Exterior, embora existam sites que a vendam no Brasil a preços aceitáveis, como o Tellescopio.com.br).

Até com uns três mil reais é possível comprar um setup aceitável, algo como um refletor de 150mm sobre uma Eq-3 motorizada e uma DSLR usada. Você vai conseguir fotografar muitos objetos com este setup, mas se tiver condições, aconselho esperar mais para montar seu setup e comprar algo melhor.

Se a grana está apertada e seu foco for mais em céu profundo eu lhe diria: Compre primeiro uma boa DSLR, de preferência com Live View (a capacidade de mostrar a imagem ao vivo no visor LCD) e faça muitas fotos de câmera fixa, startrails, composições, raios, nascer do Sol e da Lua, entre outros. Depois compre a montagem e faça fabulosas imagens de grande campo, inclusive de objetos que dificilmente cabem no campo de um telescópio, como Rho-Ophiuchi, América do Norte, Nebulosa do Cachimbo, entre outros. É possível comprar boas lentes antigas de 100mm a 200mm por até 500 reais no mercado livre, prefira as de distância focal fixa, sem zoom. Você vai ver que é possível se divertir por muito tempo com uma Lente de 135mm acompanhada de sua câmera e montagem. Quando estiver saturado de imagens com lente e com dinheiro sobrando, compre um tubo ótico de qualidade.

  • Pesquise muito antes de comprar o equipamento:

Se você já tem o dinheiro para seu equipamento, não saia por aí comprando o primeiro telescópio e câmera que aparecerem na sua frente, há muito a saber sobre equipamentos de astrofotografia e não dá pra explicar num único post. Não espere que as pessoas pesquisem e leiam por você, essa é uma tarefa que você terá que fazer se quiser realmente aprender.

Abaixo seguem três posts deste blog com dicas para compra de equipamento de astrofotografia


  • Pesquise mais ainda depois de comprar o equipamento

Agora que você comprou o equipamento chegou a hora de fotografar. Você provavelmente tem muito o que aprender, sobre alinhamento, fotografia, programas de captura e principalmente, sobre o céu, pois você precisa saber quais são os objetos mais importantes e onde eles estão, pois mais do que nunca você tem que estudar. É claro que uma montagem com Go-to ajuda a localizar o objeto, mas ela não diz quais são os objetos mais legais, se eles são muito ou pouco brilhantes, se são adequados para o campo e resolução do seu equipamento, entre outras coisas.

Aqui vão alguns lugares muito bons onde você pode pesquisar:


Forum do Cloudy Nights (procure a seção Astrophotography and Sketching)

Astrobin.com (muito bom para você ver o que estão fotografando com determinado equipamento)


Blog do Andolfato Isso mesmo, que tal começar a ler este blog desde o seu primeiro post:


Sim, há muito pouco material em Português. Eu também acho uma pena, mas felizmente existe algo chamado Google Tradutor, que em alguns casos ajuda muito.

  • Além de um bom telescópio, câmera, e montagem, tenha também um bom computador a mão.

É muito comum a gente apontar o setup Astrofotografico como uma trinca entre montagem, câmera e telescópio (ou lente), mas um bom computador é quase tão importante como os três elementos acima, é nele que as imagens serão capturadas, armazenadas e depois empilhadas e processadas. Você precisara de uma porta USB rápida para captura de vídeos planetários, de um bom processador e placa de vídeo para o empilhamento de muitos frames e o pós-processamento, então tenha consciência de incluir um bom notebook em seu orçamento, caso você não tenha um.

Eu, na verdade, não uso um notebook potente para captura, uso um netbook, mas isso é por que tenho um bom desktop com uma grande placa de vídeo para trabalhar no processamentodas  imagens depois, se não o netbook seria inviável. Ele é usado somente para captação.

Em relação a programas, seguem alguns que utilizo.

Canon Eos Utilyties - Para operação de sua Canon DSLR através do computador.

Deep Sky Stacker - Para empilhamento de frames em fotografias de céu profundo. O ajuste de contraste no próprio DSS também é o mais recomendado.

Registax - Para empilhamento de frames de vídeos de captação planetária, solar e da Lua.

Iris - Para processamento de imagens, também faz empilhamento de frames, mas eu não uso ele para isso. Hoje o que mais faço nele é corrigir o coma das imagens

- Windows Live Photo Galery - Sim, uso muito esse programa oferecido gratuitamente com o Windows, acho que ele aumenta o contraste das imagens agredindo menos do que o photoshop e tem uma ótima ferramenta que revela detalhes em imagens aparentemente estouradas (realces).

- Adobe PhotoShop - para ajustes na imagem final. Vale muito pelos plugins, como o Astronomy Tools.

PHD Guiding - Para autoguiagem, que falarei mais embaixo.

Fitswork - Para composições RGB e mosaicos.

- Artemis Capture (programa de captação da Atik)

EOS Movie Recorder (para fotografia planetária com uma DSLR Canon)

Startrail - o nome já diz para que eu uso, faz Startrails através de muitos frames captados por uma câmera num tripé.

Há outros programas que não usei e muitos outros astrofotógrafos usam, como o MaxinDL. É claro que eu ainda quero testar eles, mas ainda não tive tempo (ou mesmo vontade). Outra que faz muito sucesso atualmente é o Pixinsight, para processamento.

  • Se for fotografar céu profundo com DSLR, pense seriamente em modificar sua câmera.
Modificar uma câmera cara como uma DSLR, retirando o filtro que bloqueia a luz infra vermelha, é algo difícil de se pensar quando você acabou de comprar sua câmera e ela ainda está com carinha de nova, mas no futuro, quando você se tornar mais exigente com suas fotografias de céu profundo, verá que remover o filtro original da câmera é quase obrigatório, pois ele bloqueia 80% da luz vermelha das nebulosas de emissão. Algumas pessoas vão mais além e constroem sistemas de resfriamento para suas DSLRs. CCDs dedicadas a astronomia não precisam ser modificadas, pois não bloqueiam nenhum tipo de luz e a maioria já vem com resfriamento. 
  • Pratique muito, pratique o máximo que puder
Essa é a dica mais óbvia. Não espere tirar fotos espetaculares já na primeira noite. Mesmo os felizardos que podem comprar os melhores equipamentos sofrem muito nas primeiras sessões astrofotográficas. Isso acontece com qualquer um que está começando uma atividade nova. Você ficará impressionado em ver como tudo estará mais fácil dentro de alguns meses. Mas você dificilmente se transformará num astrofotógrafo de primeira se botar o telescópio para fora e fotografar umas duas vezes ao ano.

E a prática não envolve apenas a captação. Também pratique muito o processamento, quanto mais você usar os programas mais vai entender os comandos e como eles afetam a sua foto. É um grande desafio tirar mais detalhes de uma imagem sem causar ruído ou deixar a imagem com aspecto de desenho. Em geral astrofotógrafos novos tendem a exagerar no processamento, o que é totalmente aceitável, mas a imagem deles vai ficando cada vez mais refinada e elegante quanto mais vão entendendo os softwares de processamento. Em geral boas captações num céu adequado precisam de  pouco esforço de processamento, são as captações defeituosas ou em céus com muita poluição luminosa que exigem uma pós-processamento mais pesado.


Imagem captada durante o quinto EBA, com a mesma CG-5GT da foto anterior, e também o mesmo Orion Ed 102mm e a mesma Canon T2i, agora modificada. Ao setup foi adicionado somente Autoguiagem. Tempo total de exposição de uma hora.


  • Em céu profundo quanto maior o tempo de exposição total, melhor a imagem final.


Essa é uma regra básica da astrofotografia de céu profundo, quanto maior o tempo de exposição, melhor. Quanto mais longos forem seus Lights frames, menor será a sensibilidade (ISO) necessária e mais detalhes aparecerão na nebulosa. Quanto maior o número de frames, menor será o ruído e a imagem final poderá sofrer mais ajustes de contraste e cores. O uso de flat, dark, dark flats, e Offset/bias frames também é muito importante. Abaixo uma breve explicação sobre cada um deles:

- Light Frames - São as fotos do objeto fotografado propriamente ditas. Quanto maior o tempo de exposição total, melhor. Entenda que o tempo de exposição total de uma imagem é a soma do tempo de exposição de todos os light frames. Por isso quando falamos que uma imagem tem um tempo de exposição total de três horas, é improvável que este tempo de exposição seja de um único light frame. Normalmente é algo como 30 frames de seis minutos que foram empilhados. O astrofotógrafo costuma colocar esta informação em suas fotos quando as publica (ou pelo menos deveria).

Para os lightframes é importante também a leitura do post abaixo:

Conceitos básicos da captura em Astrofotografia: Tempo de exposição, ISO e razão focal.



- Dark Frames - São frames feitos com o mesmo tempo de exposição e sensibilidade (ISO) dos light frames, também devem ser captados sob a mesma temperatura, mas nos Dark frames a câmera deve estar completamente tampada para que seja capturado apenas o ruído criado pela câmera e também os chamados Hotpixels, pontos coloridos que surgem no sensor em fotos de maior exposição, principalmente em câmeras não refrigeradas. O ideal é que o número de dark frames seja o mesmo da captação total na imagem colorida, ou o mesmo da captação de cada cor (ou da cor que recebeu mais captação), na captação em RGB com câmera monocromática.

- Flat frames - Esses daqui são meio chatinhos, normalmente envolvem a captura de uma imagem totalmente uniforme, como uma folha em branco iluminada por uma lanterna ou um céu azul sem nenhuma nuvem, a utilidade dos flat frames e eliminar a vinhetagem provocada por luzes em volta da imagem (muito grave em locais com muita poluição luminosa) e também possíveis sujeiras no sensor da câmera. Eu tive ótimos resultados fazendo flat frames tirando a lente totalmente do foco e captando imagens com o mesmo tempo de exposição dos Light frames, apenas tomando o cuidado de desviar um pouco a lente caso houvesse alguma estrela muito brilhantes que não saísse totalmente do foco. Mas há muitas outras formas de se fazerem Flat flames, e não vou entrar em detalhes neste post.

Exemplo de um bom flat frame. Imagem de Petri Kehusmaa.


- Dark Flat frames - Com tempos de exposição e possivelmente temperaturas diferentes dos light frames, os Flat frames tem seus próprios hotpixels e ruído, que o programa de empilhamento poderá não encontrar e eliminar, para isso é importante fazer dark frames para os flat frames também, com o mesmo tempo de exposição e sensibilidade destes.

- OffSet/Bias - São imagens feitas com a câmera tampada e mesma sensibilidade dos Light frames, mas o tempo de exposição deve ser o menor possível da câmera.

Todos os frames acima deverão ser colocados no Deep Sky stacker ou outro programa semelhante, que fará o trabalho de empilhamento para você, eliminando o ruído, a vinhetagem e os hotpixels, se as captações estiverem com boa qualidade.


Para fotografia Lunar e Planetária, o que importa é a quantidade de frames da imagem, de preferência captadas com a menor sensibilidade possível. A captação deve ser feita respeitando-se um tempo limite para muitos planetas e o Sol, pois a rotação destes astros pode estragar a imagem final. No geral o ideal é que se consiga o máximo de frames em até 3 minutos. Quanto mais rápida a câmera, melhor, mas lembre-se que num telescópio de menor abertura, se estiver com a distância focal muito elevada devido ao uso de barlows e Powemates, a imagem pode ficar muito escura caso o tempo de exposição de frames seja muito curto, aí não adianta nada ter uma câmera rápida, pois você vai ter que aumentar o tempo de exposição. Se este tempo for, por exemplo, de um décimo de segundo, nenhuma câmera ira gravar acima de dez frames por segundo.


  • Para céu profundo você provavelmente vai sentir a necessidade de algo chamado de Autoguiagem.

Autoguiagem é nada mais do que uma segunda câmera, colocada sobre outro telescópio na mesma montagem ou mesmo anexa a câmera principal que terá como função filmar uma estrela. Um programa em seu computador ( um muito popular é o PHD Guiding), irá analisar o movimento dessa estrela em relação a sua montagem e ira corrigir quaisquer desvio, permitindo tempos de exposição bastante longos.

Autoguiagem é como modificar a câmera, é algo que você não vai pensar muito no começo, mas se continuar avançando neste hobby, se tornando cada vez mais exigente com suas imagens, não vai demorar a ver que é algo fundamental para astrofotografia)

É isso aí pessoal. Não acredito que todas as suas dúvidas tenham sido sanadas, mas espero que tenha sido uma resposta aceitável.

Um Grande abraço
Rodrigo Andolfato.

21 comentários:

  1. Rodrigo vc é D+ cara, sempre acertando em cheio. Esse seu post é espetacular e eu já li tanta coisa no seu blog e em outros que isso é praticamente "uma receita pronta" rsss... Acredite vc é referência no assunto e seu blog é excelente e está de parabéns como sempre. Minha NEQ6 chegou e agora já descobri o meu "Sul Celeste" e está tão disponível pra mim que cheguei a ficar com raiva de mim mesmo, após ter me dado conta rss... fiz simplesmente uma foto de 8 minutos só para tirar a dúvida e pronto ali está. Pena que o tempo ainda não permitiu configurar o Goto pois as estrelas estão ficando escondidas (nuvens) mas brinquei com a montagem mesmo assim só com os dados iniciais e sem o ajuste com as estrelas, que bacana. Também acredito ter conseguido um bom alinhamento pelo tempo que acompanhei uma estrela mas ainda quero fazer um ajuste fino trocando as oculares mas vou esperar o tempo limpar e acabar o Gideões (maior encontro de evangélicos) estou no centro nervoso do evento e a PL está matando junto com a lua.
    Abraço e obrigado por mais estas preciosas dicas e ensinamentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Eldio, imagina que com a NEQ-6 você vai poder brincar muito agora. Está pensando em vir para o EBA deste ano?

      Excluir
    2. Meu Deus quem pudera, vontade não falta e queria muito ir para aprender com os feras que vão. Tenho um grande problema e reconheço, enquanto eu não ver alguém pondo em prática certas técnicas acabo demorando muito pra eu mesmo conseguir fazer parecido mas ei de conseguir pois me recordo de como era "casca grossa" no assunto e hoje já aprendi muita coisa, não me conforta rsss... mas sei que aprendi bastante e também sei que nunca vou saber tudo porque não tem como, esse assunto é muito extenso. Mas vamos a luta, minha dificuldade e é peça chave (o tempo não está ajudando) não estou conseguindo praticar para poder corrigir o alinhamento, essa está sendo a minha pedra no caminho. (Mandei um email pra vc).
      Abraço.

      Excluir
    3. Rodrigo eu estou usando a T3i e o anel direto no tele e estou desconfiado que devo usar um tubo extensor de 50 mm 2" para resolver um problema de foco que eu percebi estar muito difícil de acertar, vou estudar isso, posso estar enganado mas vai me servir pra outras coisas também.

      Excluir
  2. Obrigada pelas excelentes informações. Sou uma apaixonada por astrofotografia. Meu sonho é de um dia ter todo esse equipamento , e tentar fazer alguma coisa parecido.Excelente o seu Blog.

    ResponderExcluir
  3. Excelente, eu acompanho a evolução do rodrigo desde o começo, e ele esta virando um otimo astrofotografo....esta de parabens =D

    ResponderExcluir
  4. Excelente información!!!! fundamental para mejorar en las técnicas de astrofotografía!!!! Gracias Rodrigo, realmente es muy gentil de tu parte, por compartir tus conocimientos y por el tiempo dedicado en ello!

    ResponderExcluir
  5. Agora também tenho um link para quando perguntarem qual telescópio devem comprar. Ficou muito bom o tutorial. Aguardo o livro que você "não" está escrevendo.

    ResponderExcluir
  6. E quando chegará o livro? Já está aberto a pre-order?

    ResponderExcluir
  7. Pessoal, em relação ao livro é por que neste momento me envolvi um pouco em outro projeto que está consumindo o tempo do livro. Inventei de escrever uma obra de ficção científica. Mas assim que puder quero voltar para o livro de astrofotografia.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom! ainda não completei meu setup, sempre venho aqui e aprendo um pouco mais..

    ResponderExcluir
  9. Um livro legal que recomendo é fotografar o céu de Pedro Ré. Quem tiver interesse em comprá-lo entre em contato com o Sr. Raimundo proprietário da loja http://astrofoto.com.pt Fiz o pagamento pelo paypal e recebi pelos correios em 5 dias.

    ResponderExcluir
  10. Nossa, muito complicado. O telescópio que tenho é bem fraquinho, mas serviu pra despertar o meu interesse. Sendo assim comprei hoje um Refletor SkyWatcher 130mm EQ2, o que acha dele?, dá pra tirar uma foto simples com ele? Tem algum post bem básico quanto à astrofotografia? Pretendo me aprofundar no hobby, mas esse negócio de astrofotografia tá dando um nó no cérebro. Sou totalmente leigo nesse quesito.

    ResponderExcluir
  11. Pesquisando na internet, vi que alguns fotógrafos usam de um recurso que não consigo entender, fazem LIght Frames com ISO diferentes, você conhece esse tipo de procedimento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cleber, vejo muito com tempos de exposição diferentes, para nebulosas com partes muito brilhantes, como Orion. Mas ISOs diferentes nunca vi. É possível, mas não sei as vantagens. Manda o link dos textos que você leu.

      Excluir
  12. Caro Rodrigo, parabéns pelo seu blog. Encantador.
    Gostaria, se possível, que me indicasse equipamento para a astrofotografia. Já possuo a DSLR - Nikon D5100.
    Gostaria de saber qual tipo de telescópio - Refrator ou refletor; adaptadores para a DSLR; e tipo de montagem mais indicada.
    Tendo em vista que já possuo a DSLR, poderia gastar algo em torno de uns R$ 6.000,00 com o equipamento.
    Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
  13. Rodrigo, tenho uma Canon PowerShot SX50 HS, ela serve para ser utilizada em qualquer telescópio? Qual seria o melhor telescópio com custo benefício aceitável para quem esta iniciando do zero?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Márcio! Aconselho ler este post: http://andolfato.blogspot.com/2011/09/o-equipamento-ideal-para.html

      Se quer ver o que dá pra fazer com uma câmera como a sua, recomendo ver o trabalho da Meire Ruiz: https://www.facebook.com/meire.ruiz?fref=ts

      Excluir
  14. Olá Rodrigo. ... gostei muito dos seu blog. Há pouco mais de uma ano adquiri um refletor 150mm altazimutal com goto e uma câmera asi120mc e já tirei várias fotos. Desde nebulosa de órios até os planetas visíveis. Porém estou com dificuldade de tirar da ÔMEGA CENTAURO, e fico impressionado o tanto de fotos que encontro tiradas com maquinas fotográficas do mesmo objeto. Engraçado que a 047 tucanae já consegui fotografar.
    Consigo visualizar a ômega centauro na ocular, mas quando coloco a máquina e tento foco, adeus. Não consigo. Alguma dica. Uso registax6 para captura.
    Argos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Argos. Você já pensou em usar o FireCapture? E o melhor para captura com esta câmera.

      Abraços.

      Excluir
  15. Boa tarde e parabéns pelo seu ótimo blog, grande fonte de conhecimento, tenho algumas dúvidas e se puder responder lhe agradeço; a montagem H-EQ5 é muito superior a EQ5 ou motorizando a EQ5 se consegue resultados similares a primeira em astrofotografia? As informações do fabricante sobre o peso suportado por uma montagem é real? No caso uma montagem EQ5 pelo site do fabricante suporta 9,1Kg e é vendida com um tubo de 200mm que pesa 8,75Kg esse tubo sendo acoplado com uma câmera ao tubo já estaria ultrapassando os 8,75Kg e comprometendo muito a estabilidade da montagem e a qualidade das fotos? Obrigado e sucesso.

    ResponderExcluir

Eu tenho me esforçado para responder todos os comentários, mas posso demorar um pouco, ou mesmo esquecer algum. Por isso, peço paciência e não fiquem constrangidos de me darem um toque, caso eu esteja demorando demais.
Atenção: comentários que atentem contra direitos autorais não serão aprovado.